quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010


Quando falamos de sexo ou sexualidade podemos confundir estes termos com genitalidade. Utilizamos estas três palavras como se tivessem o mesmo significado, mas, talvez, já tenha chegado o momento de estabelecer a diferença entre estes termos.Sexo• Condição orgânica que distingue o macho da fêmea nos organismos heterogaméticos.• Sexo feminino e sexo masculino.• Conjunto dos órgãos sexuais masculinos ou femininos e, de modo especial, o órgãos externos.Genitalidade• Relativo ao sexo e ao aparelho reprodutor do ser humano e dos animais.Sexualidade• É um elemento básico da personalidade, um modo próprio de ser, de se manifestar, de se comunicar com os outros, de sentir, expressar e viver o amor humano.• A sexualidade humana é especificamente distinta da sexualidade animal. A sexualidade não se identifica com a genitalidade.• A sexualidade invade tudo: a psicologia, as relações humanas, nossa personalidade. Matiza o modo de entender-se e de entender a realidade. Uma reflexão sobre a sexualidade somente pode ser elaborada a partir de uma concepção integral da pessoa, perguntar pelo sexo é perguntar pelo homem. Toda atividade, toda conduta, todo sentimento e emoção estão impregnados pela sexualidade.

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010


A sexualidade...
Começa no início da vida do indivíduo e termina com sua morte;
É mais ampla que a genitalidade;
Inclui a reprodução;
Busca da satisfação (prazer) como princípio de equilíbrio e sustentação vital (bio-psico-social e espiritual);
É constituída de todos os sentimentos que somos capazes de sentir e expressar, qualificados de bons ou de ruins (alegria, tristeza, amor, ódio, solidariedade, egoísmo, inveja, desprendimento, desejo, culpa,etc);
É o atributo/manifestação de energia que nos torna únicos em nosso expressar e interagir físico, mental e social no mundo;
Acontece no corpo;
Tudo que sentimos e vivemos acontece no corpo;
Controlando o corpo se controla a sexualidade e vice-versa;
Controle externo do corpo, afasta a pessoa de seu próprio corpo e tira a autonomia;
A falta de autonomia, dificulta o auto-cuidado;
Aumenta a vulnerabilidade;

Qual a diferença entre sexo e sexualidade?


Queridos,
O próximo Tema Integrador é: Sexualidade e Responsabilidade. Então, segue um pequeno texto "clareando" as diferenças entre sexo e sexualidade. A idéia é que vcs pesquisem também e coloquem suas opiniões em forma de comentários.

Segundo o dicionário, sexo é a conformação característica que distingue macho e fêmea em animais e vegetais, ou seja, um conjunto de seres com a mesma conformação física.

Sexualidade é um termo que qualifica o que é sexual. Para a psicanálise, sexualidade está relacionada a libido, que leva o indivíduo a fantasiar, a desejar e isso não está relacionado somente ao órgão sexual, mas ao corpo como um todo (olfato, visão, mente e sentimentos).


Fonte: Texto adaptado de Denise Hernandes Tinoco (Doutora em Psicologia Clínica)


segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

células tronco melissazynich




Células tronco. Francine & Fágner



As células tronco são células primitivas, produzidas durante o desenvolvimento do organismo. Elas têm a capacidade de auto-replicação e diferenciação. Significa que essas células são capazes de gerar cópias idênticas a si mesmas e, além disso, originar células de varios tecidos diferentes.

Células tronco (Camila Soares) Turma 31





















Células-Tronco
As células-tronco são células primitivas, produzidas durante o desenvolvimento do organismo. Elas têm capacidade de auto-replicação e diferienciação. Significa que essas células são capazes de gerar cópias idênticas a si mesmas e, além disso, originar células de vários tecidos diferentes.


Como os cientistas querem usar as células-tronco? Jorge, Veridiana e Daiana (Turma 31)


CARNAVAL um outro lado....



CARNAVAL.... direito ao excesso e à fantasia distribuídos igualitariamente.

Para quem não gosta de carnaval, este texto pode ajudá-lo a ter uma outra visão desta festa popular...



No carnaval, o brasileiro tem a possibilidade de “liberdade” e de viver uma ausência fantasiosa e utópica de miséria, trabalho, obrigações, pecado e deveres. É um momento onde se esquece as dificuldades da vida, e mais que isso, de fazer tudo ao contrário. É quando ele pode viver uma experiência do mundo como excesso – de prazer, de riqueza ou luxo, de alegria e riso, do prazer sensual.


O carnaval não escolhe entre ricos e pobres, é uma festa onde todos são iguais, ou podem viver uma significativa experiência de igualdade.

No carnaval, não é mais o trabalho que castiga o corpo, mas o prazer e a “brincadeira”.

Enquanto o uniforme é uma vestimenta que cria ordem e hierarquia, a fantasia permite o exagero e a troca de posições. A fantasia é tanto o sonho acordado quanto aquela roupa que realiza a ponte entre o que realmente somos e o que poderíamos ter sido ou merecíamos ser. A fantasia promove a passagem para outros lugares e espaços sociais, permite o livre trânsito de pessoas por um espaço social que o mundo cotidiano, com suas leis e preconceitos, torna proibitivo. Ela torna possível passar de “ninguém” para “alguém”, de marginal do mercado de trabalho a figura mitológica.

Essa liberdade que coloca as regras diárias de cabeça para baixo é fundamental numa sociedade cuja rotina é dominada pelas hierarquias que a todos sujeitam numa escala de direitos e deveres vindos de cima para baixo, dos superiores para os inferiores, dos "fulanos" que entram na fila e das pessoas que jamais são vistas em público como comuns.


Retirado e adaptado do texto “Carnaval ou o mundo como teatro e prazer” de Roberto Damatta.


domingo, 7 de fevereiro de 2010

A natureza na cidade...

Nestes dias de calor intenso e enchentes, aproveitamos para lembrar a importância da vegetação urbana (espécies de porte arbóreo, arbustivo e herbáceo). Entre outras funções, ela possui uma ação refrigeradora sobre o meio ambiente, proporcionando uma temperatura mais amena, alem de proteger da exposição direta ao sol. Também auxiliam na infiltração de água e no reabastecimento dos lençóis subterrâneos.

Devemos nos preocupar com o futuro de nossa cidade, que está crescendo num ritmo acelerado, com inúmeros loteamentos sendo implementados. Canoas está esgotando seus espaços livres e depois disso, creio, teremos um intenso crescimento vertical, que ainda é tímido no município. Preocupa a carência de áreas verdes para lazer, fato que deve ser levado em consideração por parte dos planejadores e administradores públicos que se preocupam com o futuro da cidade, principalmente nos bairros mais carentes (menores índices de área verde por habitante). E a qualidade de vida na cidade depende em grande parte da disponibilidade e a boa distribuição de áreas verdes, pois o contato da população com a natureza se restringe basicamente aos momentos de lazer.



Atualmente se fala muito nas árvores, em plantar árvores. Sabemos que na maioria das vezes é apenas marketing. Porém, a árvore pode ser o elo de ligação, o primeiro amor digamos, na relação com a natureza. Ao invés de dar um brinquedo caro, nada contra, porque não ajudar o filho a plantar uma árvore e delegar a responsabilidade de cuidá-la. “Adotar uma árvore” é uma forma criativa de ligar o homem à natureza, como parceiro e protetor.


Assim, se não mudarmos a relação que temos com a natureza, acabaremos num mar de cimento.


NÃO ao preconceito!



Preconceito (no dicionário): juízo antecipado, formado antes do conhecimento integral ou adequado do assunto.

Vimos em aula alguns vídeos retirados do YouTube sobre e contra diversos tipos de preconceito. Abaixo o que talvez tenha chamado mais a atenção (com som).

video


"O preconceito é um fardo que confunde o passado, ameaça o futuro e torna o presente inacessível."
(Maya Angelou)


Martin Luther King em seu famoso discurso " I Have a Dream " (1963) afirmava sonhar que um dia suas crianças iriam viver em uma nação onde não seriam julgadas pela cor de sua pele, mas pelo conteúdo de seu caráter.

"O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons."
(Martin Luther King)

Em 1964, Martin Luther King recebeu o Prêmio Nobel da Paz. Em abril de 1968, aos 39 anos, foi assassinado a tiros, em Memphis (EUA), onde estava em apoio a uma greve de coletores de lixo.